Aroma F

sábado, 19 de dezembro de 2009

Chamada não atendida


Hoje adormeci, ao som da tua voz. Entrei no mundo dos sonhos, e levei-me pelo teu olhar, fui puxada pelo teu mistério e atirada para os teus braços.
Fez-se silêncio, os meus olhos semicerraram, e eu senti, por todo o meu corpo, um nervosismo miudinho, dancei no e para o teu corpo. Abri os olhos, vi os teus lábios, carnudos e apetecíveis. Entreguei-me, e os teus dedos brincaram pelos meus ombros, braços, costas, ancas, e subiram deixando um leve mas muito bom arrepio, chegaram ao pescoço e tu aproximaste-te. Duas bocas, a raspar uma na outra, o coração a palpitar, e o teu olhar tão profundo (...)
Eu sorri, afastei me. Seguiu-se um breve momento em que olhei e desejei, mas, ao ver por trás do teu ombro reparei na luz do telemóvel. E fui embora, larguei-te da mão e caí na minha cama.

'Amorzinho a ligar...', que sou eu afinal? Amante?

11 comentários:

Inês Sofia disse...

Parece a história da Bella e do Edward... Sei que telemovel eles nao usam... Mas leio os livros... De jeito que...

Está muito bem escrito!! :)

~ Sim, é uma musica muito bonita.
Se fizer o teu estilo, ouve também Joshua Raddin: Closer, Only You, Winter são as mais conhecidas. Mas todo esse albúm está genial.

Inês Sofia disse...

Era no sentido de ser muito intenso...
E a descrição entre a relação com os dois corpos... Sério :)

Está muito bom.

Afinal é Radin e não Raddin, sorry.
A What If You também está muito boa. :)
Ficarei à espera, então. *

Silvia disse...

pusha .. fiquei sem palavras! :O

danó disse...

é incrivel como descreveste tudo tão bem, gostei muito :'))

Lu disse...

gostei tanto do texto *.*

PR" disse...

Texto lindo! :)

Crazy disse...

Adorei!
E obrigado pelo conselho (:

Beijinhos*

Sandra M disse...

Que texto lindo e sentido.
Como uma chamda pode explicar mil e uma coisas.

danó disse...

Obrigada pelas palavras :$

lígia disse...

pois pode. não só pode como muita das vezes, dura mesmo. os segundos completos.. 37, 42, 51 segundos.. whatever! Acaba precisamente no ultimo algarismo.
E dói. Dói tanto que nem o som da música, já acabada, nos pode ajudar.

Catarina disse...

Adorei, é que adorei mesmo (:
Por vezes essas histórias acontecem mesmo, não a mim (: